Todos os anos, surgem títulos do cinema de horror que arrastam os fãs para o cinema. Mas alguns deles se tornam parte da lista dos piores filmes de terror já lançados. É o caso de Piscina Infinita (Infinity Pool), Five Nights at Freddy’s – O Pesadelo Sem Fim e “O Convento”. Isso porque ambos conseguiram desagradar a muitos espectadores, inclusive nós do Terror em Pauta.

Para garantir que você não perca o seu tempo assistindo aos piores filmes de terror, vamos fazer uma lista com alguns deles e explicar porque não são uma boa pedida. Confira!

1. Piscina Infinita figura um dos piores filmes de terror

Piscina Infinita figura um dos piores filmes de terror

Piscina Infinita figura um dos piores filmes de terror – Reprodução

Em comentário no Google Avaliações, Luis Lopes descreve que “a história tem um potencial interessante, mas que é desperdiçado com a bizarrice feita pelo diretor, com cenas de sexo desnecessárias e personagens irritantes.

O longa teve apenas 60% de aprovação dos 46 avaliadores que o classificaram no Google. Na história, acompanhamos o escritor James Foster desfrutando de uma estadia com sua esposa em um resort situado no pitoresco país costeiro de La Tolqa. Durante esses dias, ele acaba se envolvendo em um acidente, quando, infelizmente, atropelou um residente local.

Neste lugar peculiar, a consequência para tal infração é particularmente severa, pois a penalidade estabelecida é ser executado pelo próprio filho da pessoa atingida.

Alerta de Spoiler

O filme tem tudo para ser bom, mas se perde ao dar atenção a situações chocantes e deixa de lado discussões importantes sobre como o turismo predatório e irresponsável pode colocar em risco a população local.

Em vários momentos, nos deparamos com cenas de uso de drogas e nudez que são desnecessárias. Além disso, o diretor se perde ao dar visibilidade exagerada a cenas de alucinação pelo uso dos entorpecentes: o que não contribui em nada para a narrativa.

As atuações e locação são boas! Contudo, estão mal aproveitadas no longa, principalmente quando falamos de Mia Goth, um talento do cinema de horror que poderia ter sido melhor aproveitado.

No final do filme, saímos sem nos importar com ninguém. Sem conhecer melhor o lugar e a população que o compõe e sem ver nenhum tipo de catarse ou crescimento por parte do personagem principal; que termina sua jornada em um momento enigmático.

2. Five Nights at Freddy’s – O Pesadelo Sem Fim

Dando apenas uma estrela para o longa, Arthur Crivellaro disse em sua avaliação do Google: “Era um fã ativo até a Ultimate Custom Night e esse filme me agradou nem um pouco… Não dá medo nenhum, nem mesmo eu que tenho muito medo de filme de terror senti alguma coisa, não consideraria nem do gênero.”

Apesar de suas avaliações serem positivas de modo geral, muitos fãs da franquia de jogos consideram esse um dos piores filmes de terror lançados em 2023. No enredo, acompanhamos o estabelecimento conhecido como Freddy Fazbear’s Pizza, durante o período diurno, que encanta as crianças com a presença de robôs animados que proporcionam diversão.

Contudo, à medida que a noite se aproxima, uma transformação sinistra ocorre, transformando esses mesmos robôs em assassinos psicopatas. Desse modo, o contraste entre a atmosfera amigável do dia e a perigosa metamorfose noturna desses autômatos adiciona uma camada intrigante e assustadora à narrativa do local.

Aviso de Spoilers

Partindo de uma boa ideia, adaptar a história dos jogos, Five Nights at Freddies não consegue capturar a essência do enredo original da franquia, deixando a narrativa confusa e carente de explicações.

As falhas incluem personagens superficiais que não geram empatia, uma introdução inadequada e tempo de tela insatisfatório para personagens-chave como Golden Freddy e William Afton, além da tentativa de agradar apenas aos fãs, sem oferecer uma apresentação adequada para quem não está familiarizado com a franquia.

A trama é confusa, com lacunas na explicação de eventos e linhas genealógicas, e a inclusão de sub-tramas insignificantes.

Por fim, existe ainda a falta de elementos de terror eficazes, atuações questionáveis e a percepção de que o filme é mais infantil do que assustador, culminando em uma avaliação geral negativa, tanto para os fãs quanto para espectadores não familiarizados com a série.

3. O convento – outro dos piores filmes que envolve freiras

Com aprovação extremamente baixa, de apenas 59% dos avaliadores no Google, “O convento” utiliza uma boa ideia de forma irrisória, tornando a narrativa esquecível e por vezes tediosa.

No enredo, acompanhamos a jovem Grace, que diante da morte sob circunstâncias suspeitas de seu irmão, um sacerdote, empreende uma jornada até o Convento Mount Saviour, localizado na Escócia. Seu intuito é desvendar os mistérios por trás do ocorrido.

Ao chegar ao convento, ela se depara não apenas com um cenário de assassinato, mas também com sacrilégios que desafiam a ordem religiosa do local. No decorrer de sua investigação, Grace desvenda uma verdade perturbadora sobre seu próprio passado, lançando luz sobre segredos obscuros que podem redefinir sua compreensão de si mesma e de sua família.

Alerta de Spoiler

O Convento” falha em se estabelecer de maneira coesa, perdendo-se em uma narrativa fragmentada que vagueia por diversos elementos, desde flashes das Cruzadas até a infância de Grace e sua adoção.

O filme parece um amálgama de sequências potencialmente interessantes, como a história da pequena Grace vivendo em circunstâncias perturbadoras com sua família, mas não consegue focar em um rumo claro.

Ao centrar-se no ambiente sagrado do convento, onde Grace busca desvendar o mistério em torno da morte de seu irmão, o filme negligencia oportunidades valiosas, como o conflito entre a jovem cética e as freiras, especialmente a Madre Superiora.

Personagens e tramas são desperdiçados, enquanto o filme tenta criar um suspense em torno dos documentos do irmão de Grace. Desse modo, a abordagem de vaivém temporal e flashbacks coloca uma pressão desnecessária na necessidade de uma revelação final impactante, que o enredo não consegue cumprir, resultando em uma jornada enfadonha.

A promessa de explorar o potencial opressor da Igreja e do ambiente religioso é subutilizada, e mesmo elementos como o uso das vestimentas de freira não entregam o impacto esperado.

Apesar de algumas boas ideias e momentos referenciando outros filmes, o longa figura como um dos piores filmes de terror lançados, se arrastando para um desfecho decepcionante.

4. Ursinho Pooh: Sangue e Mel – um dos piores filmes de terror de todos os tempos!

Lançado em 2023, Ursinho Pooh – sangue e mel, surgiu após o personagem cair em domínio público, o que permitiu esse nível de bizarrice. Com 51% de aprovação no Google, o filme é recorrentemente descrito como ruim e mal executado.

Na sinopse, acompanhamos Christopher Robin, um rapaz que acaba de ingressar na faculdade. Após a sua infância, dedicada aos seus amigos Pooh e Leitão, ele se encontra com compromissos e responsabilidades que o afastam do Bosque dos Cem Acres. Nesse período, a vida dos personagens assume uma complexidade desafiadora, exigindo que eles aprendam a lidar com suas próprias adversidades.

Diante das dificuldades, Pooh, Leitão e demais habitantes do bosque são impelidos a buscar recursos e soluções por conta própria. Por isso, retornam às suas essências animalescas , enfrentando os desafios que surgem em suas vidas.

Alerta de Spoiler

Como apreciadora do universo cinematográfico, é com pesar que compartilho minha experiência desanimadora com o filme do Ursinho Pooh. Considerado por muitos como um ícone da inocência e da doçura, este filme conseguiu desvirtuar completamente a essência do personagem. Desse modo, o transformou numa produção que poderia ser descrita como um verdadeiro pesadelo para qualquer amante do cinema.

O que é apresentado como um filme de terror deixa muito a desejar, começando pela falta de coesão narrativa. Assim, como entusiasta do terror e, especialmente, do terror trash, posso afirmar que este foi indiscutivelmente um dos piores exemplares do gênero que já testemunhei.

Se a intenção era criar uma experiência assustadora, a execução deixou muito a desejar. O enredo parece mais uma sequência de eventos desconexos do que uma história coesa, beirando a apelação e falhando em oferecer qualquer substância.

A escolha do elenco é questionável, com atuações que contribuem para a sensação de desmotivação que permeia todo o filme. Além disso, a falta de química entre os personagens é evidente. Fora que a decisão de prolongar a narrativa, além da cena inicial com Christopher, parece uma escolha desesperada para estender um enredo não sustenta um longa.

As tentativas de criar momentos de suspense através de jump-scares são previsíveis para qualquer espectador familiarizado com o gênero. Isso mina completamente a eficácia desses momentos. Além disso, as maquiagens tornam as supostas cenas assustadoras mais risíveis do que aterrorizantes.

O desfecho do filme é outra falha gritante, terminando abruptamente sem oferecer uma resolução satisfatória para a trama. Esta falta de conclusão deixa os espectadores perplexos e insatisfeitos, pois é como se tivessem investido em algo que não possui um propósito claro.

Categories:

Tags:

No responses yet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *