Recentemente fui ao cinema assistir ao filme argentino When Evil Lurks, que em português ganhou o título de O Mal que nos Habita. Ele se popularizou com o nome em inglês porque foi co-produzido nos Estados Unidos.

Devo dizer que tive uma experiência fantástica e o filme entregou tudo aquilo que os críticos haviam anunciado, o que fez dele, na minha opinião, um dos melhores filmes de terror dos últimos anos. Eu saí da sala de cinema absolutamente chocado.

Se você quer saber porque esse filme vale tanto a pena, continue lendo este texto. Vou lhe contar quais foram as minhas principais impressões positivas, além de abordar outros pontos.

When Evil Lurks sinopse

Para quem ainda não sabe nada sobre a obra, vamos a uma breve sinopse. No filme, acompanhamos dois irmãos de meia-idade que vivem em um local afastado. Em uma noite, eles ouvem disparos de arma de fogo nas proximidades e ficam muito preocupados.

Ao investigar melhor o assunto no outro dia, eles encontram a metade de baixo de um corpo. Ao especular sobre quem seria e o que aquela pessoa estaria fazendo ali, eles acabam chegando em uma casa das redondezas onde há um homem que parece estar entre a vida e a morte.

Eles começam a se referir ao homem acamado como “Possuído” e ficam furiosos por sua presença ali, pois ele pode trazer grande desgraça para a comunidade. Assim, os dois homens, ajudados por outro morador, decidem levar o “Possuído” para longe dali, mas acabam perdendo-o no caminho.

Depois, eles retornam para casa tentando pensar que aquilo não era mais problema deles, entretanto coisas bizarras começam a acontecer.

A essa altura já percebemos que essa história de “Possuído” não é apenas uma lenda local. Lembra-se do cadáver no início do filme? Ele era o que os personagens chamam de “Faxineiro” e estava indo matar o possuído da forma correta para impedir que o mal dentro dele nascesse, mas acabou sendo impedido de forma misteriosa.

6 motivos para assistir When Evil Lurks

Sem mais delongas, vamos destacar alguns pontos positivos dessa obra fascinante.

1.  Traz uma nova abordagem sobre histórias de possessão

Não há como negar que o filme O Mal que nos Habita fala sobre possessão, mas a obra se destaca por fazer isso de uma forma bem diferente do que estamos acostumados. Isso mostra que mesmo ideias que parecem batidas podem ser exploradas sob uma nova ótica quando há pessoas criativas envolvidas no projeto.

Aqui você não verá objetos se movendo sozinhos, jumpscares infinitos, pessoas subindo nas paredes ou padres tentando fazer exorcismos. O filme trata a possessão de forma mais crua e menos espetaculosa, o que dá um incrível ar de realidade para tudo o que acontece.

2.  Maquiagem magnífica

O Possuído, em outros momentos chamado de Apodrecido, é resultado de um excelente trabalho de maquiagem, que traz a ideia de alguém que já está morto, mas é mantido animado por uma força das trevas.

Principalmente no primeiro ato, o aspecto podre e nojento do homem ganha muito destaque. Eu sinceramente não recomendo que você veja esse filme comendo, mas devo admitir que o trabalho foi excepcional.

3.  Mitologia diferente de tudo o que você já viu

Quando os personagens começam a se referir ao homem como “Possuído”, eu pensei que se tratava mais de uma superstição, em que a pessoa estava tão doente que os outros começavam a imaginar que ela abrigava alguma entidade cruel.

Assim, alguns podem até acreditar nessa história, mas outros não levariam os dois irmãos a sério. Entretanto, não é isso o que acontece aqui. Esse negócio de “Possuído” é extremamente real no filme e todos sabem de sua existência, mas como é raro de acontecer, muitos personagens entram em negação no início.

4.  Terror físico frenético

When Evil Lurks aposta principalmente no terror físico e faz isso de forma ímpar. Quando coisas ruins começam a acontecer, elas não param. Quando o “Possuído” é perdido na estrada, ocorrem cenas de morte inesperadas e o caos começa a se espalhar.

5.  Aborda um clichê de forma aceitável

Até mesmo na hora de inserir um clichê o filme surpreende. Sabe aqueles filmes de terror onde há regras bem específicas para que nada de ruim aconteça e mesmo assim os personagens quebram estas regras, muitas vezes sem um motivo plausível?

Isso também acontece em “O Mal que nos Habita”, mas o filme conseguiu me convencer de que, mesmo sendo uma regra simples, as pessoas poderiam realmente quebrá-la diante das situações desesperadoras em que se encontravam.

6.  Nada de mocinhos

when-evil-lurks-filme

Pedro, personagem principal de When Evil Lurks – Reprodução

O personagem principal, Pedro, está longe de ser bonzinho. Ele é um cara cheio de problemas e que em alguns momentos mostra uma índole duvidosa. Ele tem dois filhos que moram com a mãe e tenta ajudá-los quando as coisas ficam ruins, mas nunca me convenci de que ele foi um bom pai em algum momento e muito menos um bom marido durante o período em que ficou casado.

Sua ex-mulher o acusa de várias coisas e, inclusive, há uma medida protetiva em vigor. No entanto, seu irmão diz que ele não fez aquilo pelo que o acusam. Mas, o filme não deixa claro quem está falando a verdade.

Enfim, Pedro é um cara cheio de defeitos, mas que mostra algumas qualidades ao longo da trama.

When Evil Lurks; crítica

As impressões da crítica ao assistir When Evil Lurks foram muito positivas, já que no site especializado Rotten Tomatoes, a obra recebeu 97% de aprovação dos especialistas e 80% do público.

Onde assistir o Mal que nos Habita?

O Mal que nos Habita estreou nos cinemas brasileiros em 1º de fevereiro de 2024. Então, no momento de produção desse texto, a única forma oficial de assisti-lo é nas salas de cinema.

When Evil Lurks; final explicado

No final de When Evil Lurks, o mal que os personagens tanto tentaram conter acaba nascendo. Então, fica a impressão de que ele irá se espalhar pelo mundo cada vez mais e não há formas conhecidas de detê-lo. Assim, é provável que o caos irá atingir toda a humanidade.

Nos minutos finais, Pedro descobre que seu filho com deficiência assassinou sua mãe quando foi possuído por uma força sobrenatural. Além disso, um breve olhar que o menino lança em direção ao pai nos dá a sensação de que aquela coisa ainda estava nele.

No fim, Pedro está chorando ajoelhado em frente à casa e é possível ver fumaça saindo da chaminé. Nessa parte, fiquei com a impressão de que ele teria matado o próprio filho queimado para evitar que o mal se espalhasse ainda mais.

Você já assistiu ao filme? Deixe sua opinião nos comentários.

Categories:

Tags:

No responses yet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *